segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Um dos melhores momentos do meu dia é meu horário de almoço. Eu geralmente almoço sozinha, e descobri que adoro almoçar sozinha. Você vai aonde quer, senta aonde quer, come o que quer... mas o melhor de tudo, eu posso comer e ler ao mesmo tempo, termino de comer e continuo a ler... quando não tenho nada pra fazer no horário de almoço, passo o tempo todo lendo meu livro.. alguns garçons já me conhecem, e depois do almoço me trazem café, água, doces... é muito gostoso.
Esses dias fui em um dos locais que mais gosto, porque é arejado e ninguém me perturba.
Pedi meu almoço, meu suco e comecei a ler meu livro... em certo momento, sinto alguém me tocando, quando olho há um senhor com uma cara super boa, sabem aquelas pessoas que tem cara de ser gente boa? Então... ele é um desses, ele me pede desculpas por atrapalhar minha leitura e almoço e pergunta se pode me falar duas coisas... eu respondo que sim, claro. Ele então diz que primeiro ficou muito surpreso por me ver chegar com um livro e não com um celular na mão. Diz que ficou muito feliz por saber que ainda existem “jovens” como que ainda apreciam uma leitura, e melhor leitura da forma antiga, não em tablet ou celular, mas com o livro mesmo. Respondi para ele que livros é uma das minhas paixões, que adoro o cheiro de livro novo. Adoro colocar meu nome no livro, adoro carregar livros pra cima e para baixo.
Ai ele falou que a segunda coisa que queria me dizer era que ele espera que 2017 seja espetacular para mim, achei engraçado porque essa é uma palavra que sempre uso para meus colegas: espetacular... ele disse que deseja de coração que muitas coisas boas me aconteçam esse ano... fiquei muito emocionada... hoje em dia é raro que as pessoas gastem um tempo para desejar algo de bom para os outros, ainda mais desconhecidos...
Ele apertou minha mão, me desejou boas festas e foi embora pelo seu caminho.
Para alguns pode parecer besteira, mas essa breve conversa me animou... faz uma diferença danada pra gente as vezes ouvir palavras boas e bonitas.
Eu gostei deste episódio... foi refrescante... 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Gente, sou a rainha dos vexames... já sei que devo manter minha boca fechada, mas não aprendo com meus erros...
Pois eu estava andando na rua, Marechal, época de natal, milhares de pessoas na rua e de repente sinto um esbarrão, daqui a pouco mais um, depois mais outro, estressadinha como sou, falo pro último, ow! É cego? E ai, quando olho pra pessoa, não é que era cego mesmo e ainda precisa de ajuda pra atravessar a rua... ainda bem que ele não pode ver meus constrangimento.. rsrs claro que o ajudei a atravessar, sou estressada, mas sou educadinha...
Ai fiquei lembrando de outras mancadas desse tipo que já dei... certo dia cheguei cedo ao serviço e ao entrar no elevador disse bom dia para uma moça que estava lá, a moça não respondeu... ai cheguei no setor reclamando do povo mal educado, e ao mostrar a moça para meus colegas (sim, ela desceu no mesmo andar que eu), o povo começou a rir da minha cara e me contou que a moça é surda / muda, por isso ela não ter respondido. Vergonha!!!
Outro dia fui toda exibida pegar uns documentos na impressora e ao chegar à impressora, vi um rapaz piscando pra mim, mas do que rápido pisquei de volta e vi que o rapaz ficou meio sem graça, só então percebi que ele tem problema e o olho direito dele não abre... não estava piscando nada pra mim... Vergonha!!!
Em outro dia, reclamei do barulho do sapato que estava ouvindo no setor.. barulho meio irritante, claro que comecei a reclamar, e ai noto que o barulho vem do sapato de uma moça com deficiência na perna e estava com sapato especial... Vergonha!!!!
Recentemente, fiquei incomodada porque o celular de alguém não parava de vibrar, gritei da minha mesa, que quando fossem sair da mesa pra levar o celular ou desligá-lo... então... era o meu celular que estava na gaveta e eu não percebi que estava vibrando... Vergonha!!!
Por essas e outras é que tenho que aprender a ficar com minha boca fechada, e como diria os personagens de A Bela e a Fera: “Você tem que controlar os seus nervos”.. rsrsrsrs... 

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Hoje passei por uma situação embaraçosa... sabem aquelas situações em que você se comporta coberta de razão e depois pisa na bola de forma irreparável? Pois é... essa fui eu hoje.
Estava eu no mercado, ressalte-se que estou em férias, sem nada pra fazer, ou seja, sem pressa alguma.. rsrsrs, fui comprar algumas coisas pra minha mãe e peguei a fila do caixa rápido, embora seja um terça-feira à tarde, o mercado estava lotado pra variar, a fila gigantesca... fico eu na fila esperando minha vez, e ouço os caixas chamando os clientes: “próximo, caixa tal” e o povo moscando na fila, ai eu que sou pouco estressada, fiquei tão irritada porque o povo parece estar dormindo na fila e então comecei a ajudar os caixas. Quando um caixa gritava e a pessoa não ouvia, eu gritava de volta pra eles, o meu senhor ou minha senhora, caixa livre aqui ó... e assim foi... quando chegou minha vez, tinha uma pessoa na minha frente, ai comecei a receber mensagens no celular, meus amigos marcando um encontro. Claro que atenciosa que sou fui responder as mensagens, só que ai o caixa me chamou e eu não ouvi... ou não prestei atenção... o caixa chamou, o povo na fila gritou, até o guarda de trânsito me avisou que era minha vez e que o caixa estava vazio... pergunta se ouvi... não... estava mais interessada no encontro com meus amigos. Até que a pessoa que estava atrás de mim, gentilmente tocou em meu ombro e avisou que era minha vez e fazia tempo já... pensem na minha vergonha...
Por isso que é melhor ficar quietinho né? Ser paciente e mais tolerante com as pessoas.
Muito lesada.. rsrsrs

domingo, 9 de outubro de 2016

Uma das modas agora é usar batom matte. Eu comprei um da minha prima... adoro o batom.. ecurão.. sensual... esses dias andando pelo centro com meu batom matte, me sentindo, um cara passou por mim e disse: eita batom bom de ser tirado heim... dei muita risada, comecei a pensar em cantadas estranhas que já ganhei ao longo da minha vida...
Vou contar algumas...
Num dos happu hour que fui com meu pessoal, conheci um moço, não trabalhemos com números, sei que o moço ficou de conversa comigo e se ofereceu pra me pagar uma bebida, sacou logo a carteira com o emblema da polícia federal, já vi logo qual era o esquema, agradeci a gentileza e falei que ficaria ali mesmo com a galera, na hora de pagar a conta, o tal moço abre a carteira e tinha dois reais amarrotados lá dentro... olhou pra minha cara e na maior cara de pau disse: putz esqueci o cartão em casa... e eu respondi: já paguei minha parte, peguei minhas coisas e sai rapidinho de lá.. no fim seria eu quem pagaria uma bebida pro sem vergonha.
Eu outra ocasião fui apresentada pra um outro moço, que ficou de conversinha o tempo todo, ai insistiu em pegar o meu telefone, eu por educação ou vencida pelo cansaço resolvi dar o número, na hora de anotar ele marcou meu nome e já digitou antes do meu número 9090, ai comecei a dar risada e perguntei se ele iria me ligar a cobrar? Ele respondeu que estava sem crédito. Ai eu respondi: então... quando você tiver crédito se você me encontrar ai você pede meu número tá bom?
Uma vez marquei com uma galera um happy hour num lugar que sempre vamos, estou lá com o pessoal e do nada aparece um cara que conheço já há algum tempo... em certo momento do nada o cara me fala, ow, vai no banheiro pra eu te dar uns beijos, olhei pra cara dele como se ele fosse de outro mundo e respondi educadamente que não, que estava com o meu pessoal e não iria dar beijo em ninguém, ainda mais no banheiro, ele não satisfeito, me falou: ow então vamos embora comigo, eu já irritada falei, meu.. me deixa, estou com o pessoal e é com eles que ficarei, pra finalizar ele me falou: então me dá quinze conto que não tenho como ir embora. Acho que a cara de desprezo que olhei pra ele foi tão grande, que ele finalmente entendeu o recado e foi embora.
Em outra ocasião eu estava com duas amigas, e chega um desses jamaicanos, africanos, zangolanos, sei lá de onde era, e me pergunta se eu era mãe das duas outras duas, fiquei tão puta e não consigo disfarçar quando fico contrariada, ai ele percebeu que não gostei, e falou, é que vocês são tão bonitas e estou aprendendo a falar português... eu simplesmente virei as costas e deixei ele falando, porque deu bem vontade de ensinar umas palavrinhas em português pra ele, mas achei melhor não.
Há também aqueles caras que chegam de conversinha, ficam te elogiando e ai pedem pra você fazer esquema pra eles com a minha amiga que está lá comigo, eu pergunto logo, porque gastou seu tempo vindo falar comigo e não foi falar direto com ela? Já respondo na ignorância.
Agora não lembro de nenhuma outra marcante, mas seria engraçado se na maioria das vezes não fosse tão irritante. 
Esses dias andando pelo centro, estava bem vestida,, tinha acabado de fazer o cabelo, estava sol, então estava com meus óculos de sol, ai de longe já vi uma senhora e uma criança me olhando. Quando me aproximei, a senhora me abordou e disse que estava desde cedo na rua e estava com fome e se eu não podia pagar um almoço pra ela e pra filha dela, respondi que não tinha dinheiro, e gente.. não tinha mesmo, ai ela me olhou de cima a baixo e respondeu, nossa toda elegante assim e não tem dinheiro pra pagar um almoço para pessoas pobres? até parece...
O pior é que não tinha dinheiro mesmo, mas achei engraçado ela deduzir que pela minha aparência eu teria dinheiro... rsrsrsrsrs
Aparência é tudo!!! Pelo menos a aparência eu mantenho.. hahahaha

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Hoje vi um adesivo num carro que me fez pensar: Crente / evangélico é um ser esquisito. Veja bem, não estou dando com esse comentário abertura para críticas, apesar de sermos esquisitos sou muito ciumenta da “categoria” já que sou “um dos tais”.. rsrsrs
Mas a questão é que temos todo um trejeito, todo um dialeto especial.. só quem é do meio conhece termos como: sapatinho de fogo, deixa Deus te usar, tá amarrado.. entre outros..
A questão é que eu estava no ônibus e paramos num farol, na pista ao lado pararam vários carros, entre eles, um com um adesivo enorme escrito: “Eu amo a noiva do Cordeiro”... na hora eu pensei.. nossa que benção né? Mas ai comecei a pensar.. quem não conhece os termos pensaria o que de uma frase assim? O irmão estava declarando o amor dele pela igreja, mas quem não conhece não sabe do que ele estava falando... no exato momento em que eu pensava isso, um passageiro do ônibus falou pro colega dele, bem assim: Eita, olha isso. O cara além de amar a noiva do parceiro dele ainda fica contando pra todo mundo. Claro que muita gente conhece o termo e caíram na risada... mas sabe quando parece que o cara estava vendido mesmo na história?
Achei engraçado porque coisas que pra nós são super naturais, e não falo só na questão de igreja não, para outros pode ser um bicho de sete cabeças.
Só penso que se queremos passar uma mensagem com nossas ideias, crenças, pensamentos, ou o que quer que seja, temos que ser claros, objetivos e não deixar as pessoas mais confusas. Rsrsrs

Mas a reação do moço já me valeu uma historinha.. rsrsrs 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Hoje eu relataria um stress que passei de manhã... mas uma situação que ocorreu agora à tarde no ônibus na minha volta para casa ganhou minha atenção.
Estava eu dormindo no meu cantinho, quando escuto uma barulheira no ônibus. Algumas pessoas gritando. Demorei um pouco para perceber que eram dois bêbados... mas muito bêbados.. o mais engraçado é que os dois não se conheciam.. cada um entrou por uma porta.
O que estava na frente só entrou falando muito.. o que entrou pelos fundos já entrou “cantando”.. um repertório excelente.. nem vou mencionar porque não conheço as músicas.
Ocorre que o bêbado “quieto”, o primeiro, quando ouviu o outro cantando, se motivou e começou a cantar também. Foi logo falando: eu sei uma boa e começou: “...eu tive um amor...” ai o dos fundos, o segundo, reclamou porque o outro estava atrapalhando a performance dele.
Sei que ficou um falatório e acabaram chegando num acordo, cada um cantaria uma música... o dos fundos cantou sua música, e o da frente emendou “...eu tive um amor...”, ai o segundo cantou outra música, e o primeiro: “... eu tive um amor...”. O segundo ficou bravo e mandou ele calar a boca e ainda falou: fica com a boca fechada que ninguém está aguentando o seu bafo de pinga... o primeiro caiu na risada e falou que o bafo do outro estava igual ao dele... eles concordaram e caíram na risada... ai começaram a perguntar o que cada um tinha tomado... cada nome de bebida que nunca ouvi falar... e o primeiro ainda achava um jeito de cantar: “...eu tive um amor...” mas não saia desse pedaço.
Ai resolveram pedir um violão, mas o segundo já ia descer e falou que outro dia cantará para nós, mas da próxima vez se lembrará de trazer o violão.
Sei que um desceu, o outro ficou.
Pena que quem desceu foi o que mudava as músicas, porque tive que ir até em casa ouvindo: “...eu tive um amor...”
O pior é que agora a música não sai da minha cabeça e eu nem sei o resto para cantar e me livrar dela. rsrsrs

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Hoje no centro vi uma cena de genuína violência. Eu estava almoçando em um restaurante perto da empresa. Na Rua Cubatão mesmo. Em certo momento entram três crianças de ruas, quase adolescentes já... e pedem pra eu pagar uma prato de comida pra eles... falei que não tinha (e não tinha mesmo gente), e eles foram para outras mesas pedir para outros fregueses, até serem retirados do restaurante pelos garçons... eu instintivamente já segurei minha bolsa... parece preconceito? Pra mim foi puro medo mesmo..
Tá bom.. as crianças saíram do restaurante e se juntaram a outros que estavam na rua, somando assim um grupo de uns dez adolescentes / crianças de rua..
Na rua também tinha um senhor embriagado, não sei o que essas crianças fizeram que esse senhor deu um tapinha na cabeça de uma das meninas... acho que em razão do efeito do álcool ele não teve noção do perigo... grande erro... essas crianças se juntaram e começaram a literalmente espancar esse senhor... não sei de onde saiu pau, madeira, chinelo, mão... eu só sei que esse senhor foi muito agredido... a rua virou uma baderna, o trânsito parou... ai alguns fregueses do restaurante atravessaram a rua e foram em socorro do senhor bêbado.
Umas senhoras que estavam perto de mim começaram a gritar pra chamar a polícia.. os adolescentes ouviram e ficaram mais violentos ainda... arrancaram as latas de lixo dos postes, pegaram cadeiras dos restaurantes e começaram a agredir todo mundo... alguns deles atravessaram a rua e vieram afrontar as senhoras que mencionaram a polícia...
Só sei que fiquei com tanto medo que deu vontade de entrar embaixo da mesa.. eles são muito violentos..
Uma das meninas veio com um discurso pronto.. tipo: “nós moradores de rua, somos vítimas da sociedade. A policia se viesse só ia prender a gente e ia bater na gente”.
No fim... alguém socorreu o senhor embriagado que ficou todo ensanguentado... as “crianças” saíram em bando.. provavelmente para continuar pedindo dinheiro...
Sinceramente não sei como argumentar neste caso... em muitos casos fico penalizada, e se me pedem comida geralmente dou.. hoje não tinha pra compartilhar..

Só sei que fiquei passada de medo, porque por pouco eu não tomei cadeirada só porque estava no local errado na hora errada.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Semana passada. No buzão... entrei, peguei meu lugar de sempre e me acomodei para a viagem até em casa.
Quando o ônibus estava saindo do Jabaquara, escuto um rapaz que estava em um dos bancos da frente gritar desesperado: moça, moça, moça... (a motorista era uma mulher)... o ônibus pára então bruscamente.
Quando vamos ver a causa de tal comoção é que havia uma moça cega atravessando na frente do ônibus e a motorista não viu, pois estava olhando para a outra direção para ver se não vinha outro ônibus... o rapaz ficou tão desesperado que não conseguiu falar mais nada além de moça, moça, moça.
A motorista desceu, alguns passageiros desceram, e após verificarem que a pedestre estava bem e em segurança a viagem continuou.
Acontece que no banco atrás de mim havia um senhor e ficou inconformado... ele falava em alto e bom som: o que essa cega tinha que atravessar na frente do ônibus? Quase atrapalha a viagem de todo mundo...
Uma outra moça que estava em pé não se conformou com o comentário do senhor e começou a bater boca com ele, argumentando que a mulher era cega e não podia saber que vinha ônibus, ao que o senhor respondeu: exatamente... se é cega não pode ir atravessando num lugar em que sabe que passa ônibus...
Até que não tiro a razão do senhor... a mulher por ser cega não poderia atravessar sozinha ali naquele lugar que por sinal é proibido sem ajuda ou sem a menos perguntar se podia atravessar.
Sei que essa discussão tomou boa parte do nosso trajeto.
Em dado momento o senhor pergunta para esta passageira qual era o dia de nascimento dela. Ela é claro que não quis responder porque já estava muito brava com esse senhor. Mas ele muito petulante ficou provocando até que ela falou que era de 17 de junho, ai ele respondeu bem assim: Ah.. já sabia, você é do tipo de pessoa que não se preocupa com seus problemas e fica preocupada com o problema dos outros... Fica cuidando da vida dos outros.
Não satisfeito perguntou pra outra senhora a data de nascimento dela, a mulher respondeu e o senhor caiu na risada dizendo: Ah.. essa daí gosta de viver a vida... é doida pra sair, “pros roles”.. adora a noite... perguntou a data pra um outro moço e foi taxativo.. esse é viciado em trabalho... e até ironizou que ele devia fazer amizade com a moça anterior, porque ai um ensinava um trabalhar e outro ensinava o um a sair.. rsrsrs
Sei que no fim todo mundo começou a dar risada com as premonições deste senhor.

Ele me pareceu normal... mas fico imaginando de onde as pessoas tiram essas ideias... sei que fiquei bem encolhida no meu lugar com medo do senhor me perguntar a data do meu nascimento... vai saber o que ele falaria de mim... rsrsrsrs

terça-feira, 21 de junho de 2016

Esses dias uma amiga chegou indignada ao serviço. Ela conta que estava no metrô em pé e um casal sentado. Em certo momento a mulher olha para o marido e fala: Dá o lugar pra mulher, não está vendo que ela está grávida? Minha amiga disse que ficou assim estarrecida, porque nem barriga ela tem, não sei porque a mulher achou que ela estava grávida...  o marido ficou muito sem graça e não sabia o que fazer, só sei que ela conta que a mulher continuou falando dela para o marido como se ela não estivesse ali na frente deles. Por fim perturbou tanto que o cara perguntou para a minha amiga se ela queria sentar, ela já puta da vida falou que sim e quando sentou olhou bem pra cara deles e falou, obrigada pelo lugar, mas eu não estou grávida. O marido da mulher fuzilou ela com o olhar..  mas minha amiga ganhou um lugar.. rsrs
Isso me faz pensar em situações em que as pessoas deveriam ficar de boca fechada, tipo quando dizem: você engordou? Ou: nossa você está bonita HOJE coisas como essas. Ou, não gostei do seu cabelo, as vezes sinceridade demais incomoda... só ficar quieto e não falar nada.
Houve uma época em que eu ainda era gorda, perto da minha casa no ponto aonde desço tinha um posto de gasolina. Um frentista encasquetou comigo, e ele podia estar abastecendo um carro, calibrando pneu, dando troco, trocando óleo, enfim, não importa o que ele estivesse fazendo, quando eu passava ele gritava bem alto: AI COMO ELA É GRANDE... todo santo dia.. acho que era um jargão desses programas idiotas que passam na TV aberta. Só sei que aquilo foi me dando uma irritação tão grande que alguns dias eu mudava o percurso para chegar em casa, mas a distância era maior, ai na maioria das vezes eu passava por lá... pois de longe eu já via os amigos dele sinalizando que eu vinha vindo, e o idiota ficava esperando e quando eu passava ele gritava: AI COMO ELA É GRANDE.... um dia me enchi e voltei.. com sangue no olho... só vi neguinho saindo de perto dele... sabiam que ia sobrar.. ainda mantive a compostura e falei educadamente se ele não podia parar com isso, porque essa atitude dele me irritava muito... bom.. não foi tão educamente não... usei algumas palavras feinhas pra ele... mas estava com tanto ódio que minha vontade era socar a cara dele... ele ficou muito sem graça e prometeu que nunca mais falaria aquela coisa... ai quando eu estava indo embora ele me chamou e disse: moça, desculpa, é que te acho muito bonita.... ai eu falei pra ele, e porque você não falou isso desde o início? Tinha que usar um frase pra me fazer pegar ódio de você? e sai andando.. com toda minha "grandeza".. rsrs
Só sei que passei outros dias, e ele ficou mudo, acho que não sabia fazer um elogio decente, ou ficou muito sem graça... depois de alguns dias o posto fechou e nunca mais vi o cidadão...
Mas são situações que às vezes a gente acha que está sendo engraçado ou charmoso, e no fim está só provocando o ódio nas pessoas.
Hoje lembrando dou risada, mas na época quis matar o infeliz do frentista...

Então assim... se não tem nada educado ou elegante pra dizer, mantenha a boca fechada... melhor não é?

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Hoje indo ao trabalho, desci até o terminal para pegar o ônibus vazio... chegou meu ônibus entrei, peguei meu lugar de sempre e me acomodei para minha dormidinha até o Jabaquara.. Mal fechei os olhos, comecei a ouvir um falatório. Pra variar era uma pessoa pedindo ajuda, porque está desempregado.. mas esse cidadão tem algumas particularidades.
Ele estudou.. ele sabe a media de desempregados em São Paulo, e melhor, ele sabe a media de desempregados no Brasil.
Mas o melhor foi o discurso dele, mais ou menos assim: “O senhores não pensem que porque eu sou bonito, porque eu sou fortão, porque eu sou inteligente, que eu não preciso de ajuda. Estou desempregado e tenho filhos para criar”. Ele estava vendendo uns adesivos, e falou mais ou menos por uns 15 minutos... e ai saiu vendendo os adesivos... como viu que ninguém aderia ou comprava os adesivos, mudou o discurso dele, começou meio que ameaçar as pessoas, dizendo: vocês não tem temor a Deus? Porque é bíblico ajudar os necessitados. Depois não lamentem quando estiverem com dificuldades financeiras, isso é porque vocês não querem ajudar os que precisam” um discurso mais ou menos assim... ah tá.. me sensibilizou muito viu? Mesmo se eu tivesse a intenção de ajudar, mudaria de ideia depois desse falatório.
Mas o que aguçou mesmo minha curiosidade foi ver a cara do fulano... bonito, fortão, inteligente..  eu estava no fundo do ônibus e ele demorou uma eternidade pra chegar lá... quando eu olhei pra cara dele quase ri alto, mas não queria chamar a atenção do cara, porque ele é daqueles que agarram na conversa e não param mais... fiquei com medo dele vir conversar comigo.
Enfim... um cara simples, se definindo como bonito, fortão e inteligente.. rsrs Alto estima é tudo.
Vejam bem, não sou insensível a quem precisa de ajuda, mas pego ônibus e metrô de segunda a sexta, e todo dia, todo dia, tem gente pedindo ajuda. Se eu for ajudar a todos que me pedem um real, daqui uns dias sou eu que terei que pedir ajuda.
Mas no final da historia eu me deu mal, porque fiquei tão curiosa para olhar a cara do fulano que não consegui dar minha dormidinha de ônibus.. rsrsrsrs

terça-feira, 24 de maio de 2016

Hoje dia frio, na hora do meu almoço eu fui praticamente obrigada a tomar uma sopa.. não conseguia pensar em mais nada para almoçar..
Fui a um lugar aonde sempre vou quando quero tomar sopa.. sem mencionar nomes hoje.. rsrs
Peguei minha porção, escolhi uma mesa, casa cheia.. dei sorte em achar uma mesa vazia... estava almoçando quando dois senhores pediram para usar a mesa comigo.. sem problemas, podem sentar-se à mesa comigo...
Dois senhores conversando sobre tudo, pessoas com cara de ricos, falavam bem... e pelo jeito eram irmãos porque em dado momento um deles perguntou: falou com a mamãe?
Ok. Eu estava lendo enquanto almoçava, e os dois conversando.. quase no final da refeição deles, apareceu uma baratinha na mesa... vejam bem.. o restaurante, não é um restaurante qualquer... tem nome até... ele inclusive é todo decorado em madeira (imagino que uma dessas madeiras seja a casa da bichinha), pois bem, a danada da barata resolveu aparecer... e justo em nossa mesa... a minha surpresa não foi aparecer uma baratinha na mesa, isso já me aconteceu em outros lugares, o que me surpreendeu foi a reação dos dois senhores, finos, elegantes e escandalosos... um deles deu um pulo da mesa... caiu prato, caiu talher, quase arrancou a toalha da mesa, o outro começou a gritar: tá cheio de barata aqui, tá cheio de barata aqui... quem não tinha percebido, naquele momento ficou sabendo que tinha uma barata na minha mesa... os dois desesperados, e a barata correndo na mesa do lado deles, ainda bem que não veio pro meu lado, senão eu entrava no escândalo... para acalmar os ânimos, peguei o guardanapo e joguei em cima da coisinha...  os dois “moços” foram embora indignados, dizendo que não iam pagar, que o restaurante estava cheio de baratas.. e eu lá sentada, sem saber se terminava minha sopa ou não..
Ai venho o garçon, veio o dono, veio o cozinheiro... aquela festa na minha mesa... resolveram então juntar o guardanapo, toalha de mesa e tudo o mais e levar embora... e eu continuei sentada pra terminar minha sopa..
Ai o dono veio se explicar, disse que dedetizou a casa naquela semana, que fechou todos os buraquinhos nas madeiras, e que não entendia porque ainda tinha aparecido uma barata.. eu falei que tudo bem, que isso pode acontecer... e louca pra me deixarem em paz pra eu terminar a minha sopa..
Enfim, pediram desculpas 500 vezes, me ofereceram uma sobremesa (que eu dispensei.. rsrs) e finalmente consegui terminar minha sopa.
É claro que se a casa é suja, desarrumada, a gente fica desconfiado de comer, mas como sempre neste lugar, e é sempre muito limpinho.. foi um azar danado a bicha ter aparecido naquele momento.
Ai fico me perguntando: precisava de tanto escândalo? Pessoas ricas as vezes acham que é no barulho que se resolve as coisas... minha opinião é que teria sido muito mais bonito os dois terem se levantado e ido embora discretamente... é só não voltar mais ao restaurante se ficaram com tanta aversão assim, mas precisava de tanto escândalo?
Minha opinião é que não precisava... os dois causaram um desconforto muito grande em todo mundo.

Mas enfim... fiquei feliz por conseguir finalmente terminar minha sopa, mas bem que eles podiam ter me isentado do pagamento pelo vexame né? rsrsrsrs

domingo, 22 de maio de 2016

Hoje fui à igreja com minha irmã.. celebração muito boa.. palavra boa... mas o ar condicionado estava no máximo... eu morrendo de frio.. minha irmã adorando.. ocorre que um cidadão ao nosso lado, começou com um barulho tão irritante com o nariz que acabou azedando meu humor.. eu conheço muita gente que tem renite, sinusite, e outros ites.. mas nem todos ficam fazendo barulho com o nariz.. fico imaginando se de repente em razão do problema no nariz se a pessoa não desenvolve uma “mania” porque é muito feio o barulho que moço faz com o narizinho dele...
Mas ai comecei a pensar que todos nós temos manias... eu por exemplo sou cheia de manias.. só acho que minhas manias não incomodam as pessoas. Ou será que incomodam eu eu não sei? Rsrsrs
Por exemplo: não durmo se o lençol da minha cama estiver com ruguinhas... não consigo lavar o rosto e escovar os dentes se a pia estiver molhada... chão do banheiro molhado então? Nem entro... se não houver ninguém num aposento a luz tem que estar apagada.. não durmo com a porta do guarda-roupa aberta... se saio para happy hour sempre tenho que sentar no mesmo lugar... bolsa em cima da mesa me mata.. chaves tem que ficar no porta chaves... café em copo descartável tem que ser dois.. anel da latinha de refri ou cerveja tem que ser virado... se alguém me fala: vou sair meio dia e meio.. eu tenho que corrigir.. é meio dia e meia... arroz com feijão? O feijão tem que ser por baixo...  palitar os dentes enquanto ainda estou comendo é pedir pra eu ser mal educada...
Mas não ficarei aqui falando das minhas manias.. isso pode ser usado contra mim.. rsrsrs
A questão é: percebemos muito a mania dos outros, mas não observamos que nós mesmos somos cheios de mania.. entra o que falo sempre de convivência e amizade, saber suportar as manias uns dos outros...

Mas que algumas manias são por demais irritantes isso são.. rsrsrsrs

terça-feira, 3 de maio de 2016

Hoje foi dia de jantar com minhas irmãs.. o legal desses nossos jantares é que sempre surgem assuntos pra conversarmos.. Hoje foi dia de recordarmos algumas “orelhisses” nossas.. sabem aquelas coisas que você faz sem pensar, e depois se racha de rir? Então.. ficamos lembrando algumas.. por exemplo, esses dias no meu trabalho, uma amiga esqueceu o celular na mesa.. nós mais do que prestativos pegamos o aparelho para guardar para ela, um de nós, não lembro quem agora, falou: “manda mensagem pra ela avisando que estamos com o celular”, pior, uma de nós mandou um whats pra ela... ai o aparelho vibrou.. olhamos um pra cara do outro e choramos de rir... fala sério..
Esses dias minha mãe e minha irmã Marli foram ao mercado, fizeram as compras e vieram embora com as compras, um monte de sacolas pesadas.. quando chegaram em frente à nossa casa, minha irmã se assustou e falou: Puta merda mãe, roubaram meu carro. Minha mãe já se alarmou toda e já iam ligar pra polícia, no que minha irmã se lembrou que elas foram de carro ao mercado. Fizeram as compras e vieram embora a pé, deixaram o carro no mercado.
Eu recentemenete no meu trabalho mudei de local, agora estou na Rua Cubatão, um prédio muito mais moderno do que o que eu estava antes, o esquema lá também é diferente em muitos aspectos... só sei que esses dias pedi um material da Xavier para a Cubatão e estou que espero.. porque na Xavier os boys vinham entregar na minha mesa.. sei que o material não chegava nunca, liguei para 1.500 pessoas e nada.. ai pedi ajuda para o pessoal da expedição, me informaram que o material foi entregue no “escaninho” do sétimo andar... pronto.. bateu um desespero... não sabia quem era o responsável pelo escaninho... fui de mesa em mesa perguntando se tinham recebido minha correspondência, quando estava chegando ao final do andar, vi na parede dos fundos os arquivos de escaninho... minha correspondência estava lá tinha uma semana já.. era só eu ter olhado para trás..
Minha casa é um sobrado... cozinha, sala, escritório e banheiro embaixo, em cima quartos, quarto de TV e banheiro... pois num dia super chuvoso, estávamos cozinhando algo quente e o vapor criou gotas no teto da cozinha... minha irmã chegou embaixo das gotas colocou a mão na cintura e falou: é goteira.. goteira mesmo.. agora me digam, como podia ser goteira se o aposento de cima era o quarto dela? Rimos muito da cara dela nesse dia
Enfim... contando assim de repente nem parece muito engraçado, mas na real damos muita risada destas situações...
Coisas como por exemplo: minha irmã já fechou a porta do carro e esqueceu de colocar a perna pra dentro. Eu já fui tomar banho de óculos.. aliás, já passei horas procurando o óculos e ele estava em minha cabeça... ou quantas vezes pegamos peças do fogão com a mão, mesmo sabendo que está quente... uma outra vez estávamos viajando e resolvi animar as coisas e contei uma piada... a piada era boazinha, mas causou uma crise de riso na minha outra irmã que chegou uma hora que ficamos preocupados, porque ela não parava de rir... quantas vezes já olhei pro farol errado e achei que o farol estava aberto para mim e quase fui atropelada.. ou quantas vezes atendi ao telefone em casa falando o nome da empresa... 
No fim acho que tudo isso é muito stress mesmo, ou porque estamos de fato distraídos.. muitas situações nos dão muita raiva na hora, mas depois rimos até chorar.. sei que lembrando alguns fatos hoje demos muita risada...

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Nossa minha imaginação está zerada. E pra ajudar não acontece nada de interessante na condução. Será bloqueio de escritor? hahahahahaha
Amanhã vou bater perna pela Paulista para tentar achar uma história que valha a pena ser contada.. mas não acontece nada naquele lugar gente... lugar parado, sem nada pra fazer.. exceto a Livraria Cultura que é ali pertinho... Amanhã a inspiração volta.. rsrs

terça-feira, 12 de abril de 2016

Eu sou daquele tipo de pessoa cheia de manias. Uma das minhas manias é odiar as manias dos outros.. por exemplo tem uma moça que trabalha comigo que ela nunca espirra... sempre que vai espirrar ela "segura" o espirro... isso me mata.. tem uma outra amiga que come e a cada garfada poe a língua pra fora... odioso... tenho um outro amigo que tem mania de fungar.. o tempo todo... essas coisas me matam.. mas outro dia falo sobre isso, outro dia também falo sobre minhas manias... é capaz de vocês pegarem ódio de mim.. rsrsrs, mas o que queria falar é que em razão de umas dessas minhas manias, essa semana peguei o metrô e fui até o centro, porque tenho uma manicure e só ela faz o meu pé, ela se chama Irani, como não quero mais nenhuma manicure "fuçando meus cantos", achei que a viagem até o centro valeria a pena.. pois bem.. coloquei meu chinelo e vou para o centro, chego no salão já acelerando a coitada da Irani porque isso foi na hora do meu almoço e eu não poderia me atrasar. 
Fiz o pé, fiz o cabelo, sai do salão com tempo de voltar ao trabalho, eu e meu chinelinho... ai que caiu a ficha.. impossível você andar no metrô e não ganhar um pisão no pé.. já pensei logo que iam pisar no meu pé e arruinar com tudo... pois então fui embora como se estivesse pisando em ovos... parecia uma louca, quando alguém chegava perto de mim já abria os braços, tipo "esse espaço é meu"... sei que sobrevivi ao metro, à baldeação, e cheguei na rua do meu trabalho feliz da vida porque salvei o meu pé feitinho, limpinho, pintadinho.... no que eu estou entrando no  meu prédio encontro alguns amigos, fui beijá-los e quando fui beijar o último o que aconteceu? ELE PISOU NO MEU PÉ.... olhei pra ele acho que com uma cara de ódio tão grande, que ele ficou muito sem graça... mas pensa numa pessoa irada... faltavam só alguns metros pra eu chegar em minha mesa e salvar o dia.. mas não... tinha que um pesão estragar minha unha... só não voltei ao salão pra arrumar pra não correr o risco de piorar a situação... loucuras a parte no fim até dei risada da situação, mas acho que meu amigo ficará um tempo sem chegar perto de mim.. rsrs

terça-feira, 5 de abril de 2016

E depois de 28 anos e 5 meses me vi obrigada a abandonar esse lugar. Centro velho de São Paulo. Lugar sujo, cheio de mendigos, pedintes, maconheiros, ladrões... mas lugar adorável, lugar que tem tudo, lugar que te leva a vários lugares em pouco tempo, lugar que te proporciona ver várias raças, vários tipos, várias pessoas estranhas... lugar que me trouxe alegrias.. lugar que me trouxe tristezas.. lugar que eu adoro... Mas agora a empresa precisa de mim em outro lugar... manda quem pode, obedece quem tem contas pra pagar... mas meu coração está no centro velho... nunca vou esquecer a alegria de poder almoçar no mercadão... de poder ir à 25 na hora do almoço, de ter tanta variedade num lugar só.... muitos almoços, muitos happy hour´s, muitas amizades, muitas saudades, muitas histórias... meu coração está partido por deixar o centro... mas meu coração continua no centro... Avenida Paulista... ahhh linda... mas ainda não troco o centro velho por você... vou por pura obrigação, não com alegria...



segunda-feira, 28 de março de 2016

Essa semana uma colega de trabalho chegou atrasada e revoltada no serviço. Ela conta que estava no ônibus e uma moça sentou no lugar reservado para idoso. Passaram-se alguns pontos e entrou uma senhora idosa e ficou em pé ao lado da moça, que pela regra e educação deveria levantar-se e dar o lugar para a senhora. Só que a moça não se levantou, alguns passageiros falaram pra ela dar o lugar para a senhora, e ela respondeu que não iria se levantar.
O motorista entrou no assunto, parou o ônibus e falou pra moça dar o lugar para a senhora se sentar, ela respondeu que não daria porque estava cansada e tinha o direito de estar sentada naquele banco. O motorista revoltado disse então que o ônibus não sairia do lugar se ela não se levantasse. A infeliz colocou o fone de ouvido e fingiu que não era com ela.
Pronto... estava armada a confusão... a revolta foi geral no ônibus, ela quase foi espancada, ai viu que o negócio estava ficando feio e falou: tá bom vai.. eu levanto.
Um absurdo.. claro que ela teve que descer do ônibus, caso contrário seria espancada ali mesmo...
Isso levou bem uns dez minutos, e só nós sabemos como dez minutos faz a diferença em nosso horário não é?
Eu nunca sento nos lugares reservados, justamente para evitar desgaste..
Mas existem muitas pessoas folgadas na condução..
Eu sempre pego o ônibus no ponto final, tanto pra ir como para voltar do trabalho. No terminal, idoso, gestante, deficientes não precisam pegar fila, eles entram na frente de todos, garantindo o direito deles.
Ocorre que alguns pegam o ônibus quando ele já está cheio.. ai eu acho desaforo.. eles podem esperar uns cinco minutinhos pra pegar o ônibus vazio, mas fazem questão de entrar no cheio pra alguém que já estava acomodado se levantar para eles sentarem.. ai acho que falta um pouco de respeito da parte deles também.
Certa vez, peguei o ônibus, sentei no banco normal, que não é reservado e estou lendo o meu livro.. havia vários lugares vazios ainda no ônibus, pois não é que entra uma grávida e fica em pé do meu lado? a danada da grávida além de entrar no ônibus quase cheio, ainda queria escolher o lugar, que era o meu... pois neste caso eu olhei bem pra cara dela, olhei bem pro barrigão dela e voltei a ler o meu livro.. Ah.. me respeita. Ai ela viu que eu não iria sair dali e sentou em outro lugar.. desaforada.
Se a pessoa pega o ônibus no meio do caminho e o ônibus já está cheio, naturalmente eu dou o meu lugar... mas agora pegar o buzão lotado no terminal é muita safadeza.
Estou errada?? rsrsrs

segunda-feira, 21 de março de 2016


Sem história hoje. Fazendo Imposto de Renda. Sem cabeça para mais nada. rsrsrsrsrs

sábado, 19 de março de 2016

Ontem fui a uma reunião na nossa sede e voltando de metrô para o meu local de trabalho, estava em pé, lendo e quando as portas se fecham, eu ouço: Boa tarde senhoras e senhores, desculpe atrapalhar a viagem de voces... putz aquilo já me deu uma raiva, porque todo dia, sem mentira, todo dia no metrô alguém usa essa frase, e parece que combinam porque sempre pedem desculpas por atrapalhar nossa viagem, mas difícil a situação já que estamos “presos” com eles dentro do vagão, alguns estão vendendo alguma coisa, alguns contam a história triste que chegou da casa do chapéu agora e não tem dinheiro pra voltar, alguns dizem que estão desempregados e precisam de ajuda pra sustentar os 15 flhos, enfim.. sempre existe uma “história” triste pra contar, se eu for ajudar todos que me pedem uma moeda todos os dias, daqui a pouco serei eu que terei que começar a pedir moedas... enfim, mas essa pessoa que nos abordou no metrô estava com uma história diferente, constou que está procurando recolocação no mercado de trabalho, falou em que é formada (não lembro, alguma coisa com engenharia acho), e falou que não está conseguindo emprego porque não tem experiência, então ela estava ali no metrô nos abordando, oferecendo o currículo dela, pra que alguém pudesse indicá-la na empresa, achei a moça de um coragem imensa.. mas o mais triste é que pelo menos no vagão em que eu estava, ninguém pegou o currículo da moça, ela não estava próxima a mim, e já logo saiu para outro vagão, senão teria pego o curriculo dela.
Ai fiquei imaginando, essa moça tem coragem, seria boa numa equipe pois mostra atitude, tomaria iniciativas, tomaria a frente em projetos, seria uma boa aquisição.. mas ai comecei a pensar, só que essa moça é tipo formadora de opinião, como é corajosa, pode ser do tipo que fala o que vem à cabeça, que fala o que pensa, que impõe suas opiniões e vontades, será que uma equipe precisa de alguém que tumultue o processo?

Bom, só sei que nesta experiência eu aprendi duas coisas. 1ª – quando as pessoas estão desesperadas, elas podem se tornar corajosas, essa atitude desta moça mostrou muita coragem. 2ª – eu definitivamente não poderia trabalhar em RH porque se tivesse que avaliar o perfil profissional das pessoas entraria em conflito.. rsrsrs

segunda-feira, 14 de março de 2016


Todos já sabem que gosto de ler no metrô, chego ao meu destino rapidinho e viajo nas estórias... mas estou tendo dificuldades para ler... esses dias por exemplo, logo de manhã tinha um povo tirando fotos com pau de selfie... gente posso falar? Morro de vergonha do pau de selfie, meus amigos que tem me desculpem, mas não consigo evitar de ficar com vergonha toda vez que vejo alguém publicamente usando o tal pau...  Enfim, o povo numa alegria logo cedo fazendo fotos dentro do metrô, acredito até que a foto tenha ficado boa, pois pegou uma panorâmica do vagão todo.. (será que eu sai na foto? Rsrsrs) o pau é útil, mas eu sou besta e fico com vergonha, acho constrangedor ficar olhando aquele monte de gente embaixo do pau de selfie, o pior é que a pessoa não acertava o botão... ai virava mais bagunça ainda.. rs
Fora isso, havia um artista no metrô, sabem aquelas pessoas que ouvem música e acham que todos tem que ouvir junto? Então.. tinha um desses, felizmente não era funk que o infeliz estava ouvindo, era rock... só que a pessoa achava que era o guitarrista da banda e ficava "solando" em sua guitarra imaginária... gente na boa... faz isso não... é muito constrangedor... sabem? vergonha alheia? deixa pra solar quando você souber tocar de verdade ou quando pelo menos estiver com uma guitarra mesmo nas mãos... não acabou por ai não.. ele além de solar na guitarra falsa, resolveu cantar também.. e ai fazia aqueles agudos que os roqueiros fazem, mas na boa.. coisa horrível de se ouvir... fico imaginando se a pessoa acha que canta bem, ou se quer aparecer mesmo, ou se não tem vergonha e tá nem ai pra ninguém, só curtindo o momento dele... mas eu fiquei com vergonha por ele... solando de mentirinha e cantando desafinado pra todo mundo ouvir...
Enfim... tive que adiar minha leitura pra hora do almoço, era muita informação logo cedo pra eu deixar passar despercebido

segunda-feira, 7 de março de 2016

Domingão, pulei cedinho da cama pra ir trabalhar. Estava no ponto... umas 6:30 mais ou menos, encostada na grade ainda pensando na minha cama... passou um ônibus vazio mas não servia pra mim, e eu esperando.. daqui a pouco vem outro vazio, mas que também não servia pra mim, vi um movimento diferente dentro do ônibus e achei que eram passageiros que iam descer, geralmente de domingo há grupinhos que vem das baladinhas e descem todos juntos.. mas não.. eram uns cinco rapazes mais ou menos e com eles um menino de uns 10 ou 11 anos no máximo, estavam fazendo arrastão dentro do ônibus.. levaram bolsas, mochilas, sacolas, enfim, tudo o que as pessoas estavam carregando... desceram no ponto em que eu estava e um deles ainda olhou pra mim... fiquei pensando, corro? fico parada? pulo? me finjo de morta? mas graças a Deus, e Deus seja louvado por isso, parecem nem ter me visto... Deus cuidou de mim... Como sempre aliás... eu mal olhei na cara deles, se tivesse que reconhecer não conseguiria, tamanho foi o pânico que fiquei... pra completar a revolta que senti é que nem 1 minuto depois passou uma viatura da polícia.. se eles tivessem passados uns 30 segundos antes tinham pego os caras com a mão na botija... As pessoas coitadas, foram embora no ônibus sem nada nas mãos com cara de: "o que aconteceu?".. mas de uma coisa eu sei... meu sono passou rapidinho... sempre vou dormindo no ônibus, naquele dia agarrei minha bolsa e todo mundo era suspeito para mim.
A história deste dia não nos faz rir, nos faz ficar revoltados.. Dá medo de sair de casa, de chegar tarde.. mas se dermos vazão ao medo nos tornamos reféns de bandidos.. isso não é vida.
Vamos orar pra Deus continuar nos protegendo.

Boa semana a todos!!! Cuidado com seus pertences. Deus nos proteja.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Eeu continuo passando vergonha. Estava na fila do ônibus, e no Jabaquara formam-se duas filas, uma pra quem vai sentado e outra pra quem vai em pé.. Fiquei esperando o próximo ônibus e observei um rapaz que estava esperando pra ir em pé.. com uma mochila meio zuada, de boné, uma roupa surrada... Já de cara julguei, pensei, esse dai é maloqueiro e se eu bobear vai cortar a fila na minha frente... pois bem, o ônibus chegou e eu entrei e sentei, ai a fila pra ir em pé foi liberada, sobrou um lugar ao meu lado, e quem veio sentar comigo? o rapaz... já agarrei minha bolsa, pensando coisas ruins... o moço pediu licença pra se sentar, abriu a mochila dele e sacou uma bíblia e veio lendo a bíblia o caminho todo... No fim, acredito que o moço seja só um trabalhador e pobre (tadinho)... fiquei me sentindo tão mal por tê-lo julgado mal... mas vejo tanta coisa ruim no centro, no metrô, que a tendência é desconfiar de todo mundo... Não sei porque impliquei com ele.. é como se sentisse algo, mas no fim, nada anormal aconteceu.. só eu com a minha cara de tacho mesmo... 

terça-feira, 1 de março de 2016

Deixa eu contar... na empresa aonde trabalho todas as sextas podemos fazer massagem... quinze minutinhos de puro relaxamento..muito bom...
Pois eu toda sexta faço a minha.. então chego no ambulatório e digo oi para a recepcionista: Oi Julie.. na hora de ir embora, como sou educada digo : tchau Julie... percebi que essa moça não é muito simpática, mas toda sexta eu insisto, porque sou muito educada: Oi Julie, Tchau Julie... ai sexta passada acho que ela não aguentava mais e me falou: Marineusa, meu nome é Joice... pensa na minha cara de ué... fiquei muito sem graça, fiquei imaginando porque deduzi que o nome da moça era Julie.. acho que por isso ela não era tão simpática comigo. RS Pedi desculpas e afirmei que não irei mais errar o nome dela... mas o dano já estava feito por várias sexta-feiras seguidas. rsrsrs
Ai fiquei pensando nas diversas saias justas que ficamos as vezes.
É a coisa mais comum as pessoas me abordarem e me chamarem pelo apelido: Oi Mari, tudo bem?.. e eu fico cri cri cri cri.. como é nome dessa pessoa... que é essa pessoa? Respondo educadamente e sempre procuro descobrir de onde conheço a pessoa pra não acontecer de novo.. mas sempre acontece.
Geralmente me acontece de eu ser convocada para reuniões, e no meio da reunião eu me perder em certos momentos, fico divagando, e é justamente neste momento em que meu chefe me faz alguma pergunta importante... ai lá estou eu novamente com cara de: OK deixa comigo, mas em pânico pensando: do que ele está falando?
Esses dias me contaram uma situação que seria cômica não fosse trágica, mas trata justamente destas saias justas que nos metemos às vezes. Conta uma amiga minha, que uma outra amiga dela, professora, em seu primeiro dia de aula quis causar boa impressão nos alunos, todos crianças entre sete e oito anos.. chegou na classe já se impondo, e para ser simpática com os alunos foi de mesa em mesa perguntando o nome do aluno. Em certo momento, chegou na mesa de uma menininha e perguntou o nome dela, a menininha respondeu que seu nome era Eva. A professora para ser engraçada ou sei lá o que, deu risada e falou: ah.. mas você está aqui sozinha? Cadê o Adão? Ai a menininha começou a chorar e respondeu: estou sozinha porque o Adão era meu irmão, mas ele morreu... Ai pensa no desespero dessa professora para contornar a situação?

Fiquei pensando que muitas vezes nós nos metemos em saias justas por não pensarmos pra falar.. muitas vezes nem atribuo a culpa a mim mesma.. conheço muita gente, sou muito distraída... mas geralmente me saio bem destas saias justas.. mas elas insistem em me perseguir, volta e meia me deparo com uma situação constrangedora em razão do meu esquecimento.. mas isso já faz parte de mim.. rsrsrs então se eu não responder a você te chamando pelo nome, pode ser que eu nem saiba quem é você.. rsrsrs

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Deixa eu contar... hoje sai do serviço, fiz minha caminhadinha até a Estação São Bento e peguei o metrô, consegui meu lugarzinho no cantinho que gosto e peguei meu livro pra ler... umas duas estações depois estava dormindo com o livro no colo... sabem aquele sono mortal que nos dá às vezes? então.. foi desses.. fechei o livro, me acomodei e ferrei no sono. rs
Quando estava chegando no Jabaquara já estava desperta, mas fiquei encostada com os olhos fechados esperando o metrô chegar na estação.. um moço que estava sentado no banco ao lado do meu, me cutucou e disse: Senhora, já chegamos no Jabaquara.. eu abri os olhos e agradeci, só que ele ficou olhando pra minha cara e sorrindo.. e eu pensando, ele está me paquerando ou está rindo da minha cara? pois bem, chegamos na estação, desci e fui pra fila do ônibus... chegou o ônibus, entrei e me acomodei... quando olho pro lado, quem estava lá? o bondoso moço que me acordou no metrô.. ainda sorrindo pra mim... ai ele vira e me fala: aonde você vai descer? se quiser pode dormir que eu te acordo quando você chegar... ai gente... fiquei sem reação... agradeci mais uma vez e me obriguei a ficar acordada... vai que o moço se acostuma a me acordar e venha me fazer propostas indecentes... só sei que cheguei no meu ponto com os olhos ardendo de sono... perdi meu soninho do ônibus, mas ganhei um "acordador".. na hora de descer, acenei com a cabeça para ele, e lá se foi ele no tróleibus com seu sorriso.. rsrsrs mas acredito que ele só quis ser gentil mesmo.. rsrsrsr

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Final de semana em Sorocaba. Gosto de ir pra lá porque é tudo tão aconchegante. No sábado de manhã vou à Ceagesp e enquanto minha mãe e irmã fazem compras eu fico no Empório 31, tomando um negocinho, comendo uma porçãozinha, ouvindo uma musiquinha e observando as pessoas estranhas que passam por lá. rsrs
Depois faço uma caminhadinha e pronto chega de tanto esforço... ai me jogo no sofá e fico vendo filmes... adoro ver filmes... e neste final de semana entre outros assisti esse dai. Lila & Eve. 
O filme é sensacional. Muito bom mesmo... claro que não vou contar tudo, para que vocês possam ver o filme sem saber o final... aliás odeio que me contem final de filme e livros.. rsrs
Bom, o filme trata de duas mulheres que perderam seus filhos de forma brutal. Elas fazem parte de um grupo de apoio e é lá que se conhecem e acabam criando uma afinidade. 
No desenrolar do filme elas decidem ir atrás de quem assassinou o filho da Lila, e é ai que o bicho pega. Muito drama, muita ação, muito sofrimento.
Eu particularmente não gosto muito de filmes sobre gangues, tráfico, mortes injustas, ou seja, não gosto muito de filmes que retratam nossa realidade hoje, mas acabei assistindo esse por causa das atrizes. Filmes com essas duas dificilmente são ruins.
Agora, sobre as atrizes, a Viola Davis convence... faz uma cara de sofrimento que nos faz acreditar que ela passou realmente por aqui. Muito boa.
E ai temos a Jenifer Lopes, linda, canta e ainda atua bem pra caramba. Pra que né? Se a pessoa é linda, deixa outros talentos para outras pessoas, mas não... ela tem tudo... ela deve te mal hálito ou chulé, porque olhando assim a mulher parece perfeita.
Sou fã.. fã das duas, e como imaginei o filme não poderia ser diferente... MUITO BOM!!!!
Eu recomendo...
Assistam e se quiserem podemos discutir os detalhes do filme.
Aliás, aceito sugestões de filmes... quem quiser pode me indicar que assisto e depois comento aqui.
Aproveitem. Filmão!!!

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016


Esses dias voltando de uma festa, peguei o troleibus e me sentei ao lado de um moço.
Ele estava com uma sacola bem grande, dentro da sacola tinha um urso de pelúcia escrito: Te adoro. Você é especial.
Reparei que toda hora o rapaz mexia na sacola e ficava olhando o urso.
Em dado momento ele me perguntou se eu gostaria de ganhar algo assim.. E eu respondi que se fosse de uma pessoa especial gostaria sim.
Ele então me disse que ia dar para uma moça com quem ele estava saindo. Eu perguntei se era uma ocasião especial, e ai ele respondeu que não, nenhuma data especial, mas que ele estava gostando bastante desta moça e queria que ela se sentisse especial.
Falou que trabalha numa floricultura e pensou em dar flores pra essa moça, mas que as flores iam murchar e ele queria que ela pensasse nele vivo e não murcho. E quando olhasse as flores murchas era assim que ela pensaria nele, e dando o urso, ele estaria sempre vivo.
Gente.. achei tão fofo (não achei outra palavra), muito fofo...
Não sei como será a relação deles no futuro, espero que seja só de alegria, mas achei tão bonitinho da parte dele querer agradar a moça.
Acho que hoje falta um pouco disso nos relacionamentos sabe.. dizer te amo, dar flores sem ocasião específica, sair pra ir ao cinema, jantar..
Sou meio ogra, sou desbocada, gosto de tomar uma de vez em quando, odeio shopping, mas adoro elogios, flores sem motivo, presentinhos do nada, recados no meio da noite.. essas coisinhas de mulher...
Acho que hoje a gente vive tão acelerado, tão estressado, e acabamos esquecendo "coisinhas" que fazem diferença nos relacionamentos.
Não tenho namorado, mas tenho irmãos e pais e primos e tios.. e percebi que raramente gastamos um tempinho pra dizer aos nossos o quão eles são importantes em nossas vidas...
Assim.. sem querer sensibilizar ninguém, mas foi uma coisa que tirei pra mim mesma... quero gastar mais tempo mostrando com pequenos gestos o quanto as pessoas são importantes pra mim...  

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Nem tudo é diversão. Esses dias trabalhei como uma escrava, e em uma noite o clima estava tão gostoso que resolvi ficar um pouco mais com meus amigos no centro, perto do serviço. Fomos embora todos juntos, peguei metro, e quando cheguei no Jabaquara começou minha aventura. Eu nunca  pego o ônibus cheio, sempre espero o vazio pra ir embora sentada, aquele dia resolvi pegar o que estava saindo pra poder chegar em casa mais rápido pois tinha deixado minha irmã sozinha. Eu nunca vou embora escutando música, sempre vou lendo meu livro, mas naquele dia como estava em pé resolvi ouvir minhas músicas. Quando estávamos mais ou menos na altura da divisa de São Paulo com Diadema, no bairro de Americanopolis, senti uma movimentação diferente, virei-me para ficar de frente para a porta de saída do buzão, e ai vejo o motivo da movimentação, dois marginais, encapusados, fazendo arrastão no ônibus, armados com 38, enfiando a arma na cara das pessoas, roubando celulares, tabletes e afins...tudo que fiz foi enfiar meu celular na bolsa e me encolher no canto do corredor. Fiquei invisível para os marginais que passaram por mim e nem me olharam. Graças ao Bom Deus. Já há alguns dias estava pedindo uma benção especial ao meu Deus, e essa benção foi concedida naquele dia ao me proteger. Louvado seja Deus. Agora além de entender o tempo de Deus, eu entendo o que seja benção especial para Deus. Minha vida é meu maior bem, e Ele preservou isso naquele momento, apesar de todas minhas falhas e erros, Ele me ama e me protegeu.
Enfim, a historia de ônibus e metrô desse dia não foi boa nem engraçada. Mas infelizmente hoje somos reféns... somos prisioneiros... lamentável. O pior é pensar em direitos humanos para cidadões como esses. 

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Me contaram uma situação e acabamos rindo muito, mas se pararmos pra pensar, ficamos impressionados com a cara de pau das pessoas. No caso específico, falo de alguns mendigos ou pedintes.
A situação que me contaram me lembrou outras situações com eles.. vejam só.
Na rua aonde trabalhamos tem um banco, um desses mendigos adotou o banco como casa dele... dorme lá na frente, e montou o acampamento dele em frente ao banco.
Uma colega de trabalho passando por ele esses dias, foi abordada por esse sujeito pedindo uma moeda... ela respondeu que não tem, sabem o que ele respondeu? "Como assim não tem? Você trabalha naquele prédio ali e passa aqui todo dia, e nunca tem uma moeda pra me dar? Está pior que eu heim." olha que abusado... ai me lembrei de outra situação... esses dias estávamos na lanchonete aonde sempre paramos antes de ir pra algum happy hour ou às vezes só ficamos por ali mesmo jogando conversa fora, um desses caras passou e pediu moedas, respondemos que não tínhamos, ai ele respondeu pra gente: Ah é? não tem? e vão pagar essa conta ai como? ficamos todos sem ação, só olhando pra cara do fulano que ainda saiu xingando a gente.
Existem ainda aqueles que acham que sinceridade é tudo, passam por nós no balcão e falam se não podemos pagar uma pinga pra ele, porque ele não quer comer não, ele quer é beber mesmo... claro que nunca pagamos... se pedem comida sempre pagamos alguma coisa, mas vem me pedir pinga... fala sério...
Esses dias passou um e pediu um pouco da porção que estávamos comendo, nós demos é claro, e ele em pagamento recitou um poema de sua própria autoria... bonzinho até o poema, mas daquelas coisas envolvendo política...
Tem uma que sempre vejo... o povo chama ela de Dani, a tal da Dani faz loucuras assim no meio da rua... teve gente que pára pra olhar... aliás ali no centro o povo para pra olhar tudo. Essa Dani é a dançarina do centro... tem uns artistas que cantam na rua e a Dani é um show à parte... dança tudo.. engraçado de ver...
Enfim... no centro a gente consegue ver de tudo... o dia que tiver coragem vou tirar algumas fotos para vocês olharem pela minha visão.. o problema é que se você fica com maquina ou celular no meio da rua, pode acabar ficando sem eles... mas isto é uma outra história... 

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

No metrô. Pra variar a plataforma estava lotada. Centenas, senão milhares de pessoas aguardando o trem. No meio dessa multidão havia uma senhora com sua filha, ela,a filha, é especial, e essa menina não sei porque se engraçou comigo. Veio do nada, me deu um abraço e depois ficou alisando o meu cabelo. Eu geralmente não gosto de conversa logo cedo, mas foi refrescante o abraço que ganhei. Acabamos não indo no mesmo vagão em razão da quantidade de pessoas, mas fiquei pensando nela o dia todo. Abraço gostoso. Carinho gostoso. E veio de quem menos se espera. Me acalmou!! Rsrs 

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

E então o carnaval chegou e já passou. Esse ano passei pra variar longe da bagunça. Não passei com a minha família, mas com amigos muito queridos. Reencontrei velhos amigos, conheci novos e que pelo jeito vieram pra ficar. Sentimos falta de outros que não puderam ir. Mas em resumo, foi perfeito. Sol os quatro dias e muita risada.
Minha irmã às vezes me pergunta como é que eu consigo passar tanto tempo com o pessoal e ter assunto pra tanto, mas o legal desse grupo é isso, a gente sempre acha assunto.. e se falta a gente pode dormir, comer, ler, pular na piscina, podemos fazer o que quisermos que ninguém irá nos aborrecer.
Hoje quero falar em especial de um desses nossos colegas que viajou com a gente, o nome dele é Nagib. Trabalhamos juntos há muitos anos, ele acabou saindo da empresa, mas mantivemos a amizade.
Ele me autorizou a contar isso..
Numa das tardes estávamos reunidos e começamos a conversar sobre separação, sobre pensão.. enfim.. não vou deixar aqui minha opinião sobre o assunto, como não passei por isso acredito que não deva ficar opinando.
Mas ai o Nagib veio contar que solicitou uma revisão da pensão que ele pagava, e achou que deveria impressionar o juiz para conseguir a revisão a seu favor. Então o que ele fez, começou a estudar e aprendeu a falar em latim... sim em latim...
Chegou o dia da audiência, se aprumou todo e chegando sua vez na sala do juiz já lançou de cara: Difficile ad a dolor dolere vincitur conantur , que significa Dificil a dor de superar uma dor , mais ou menos isso, não lembro com exatidão da frase e tampouco sei falar em latim (colei do tradutor.. rsrsrs), ele conta que o juiz parou o que estava fazendo, olhou pra cara dele, e perguntou: O senhor está zombando de mim? e ele não contente respondeu: Não senhor juiz. O senhor quer que eu traduza o que eu eu disse? O juiz respondeu que ele poderia ser preso por desacato, e que não era necessário traduzir. Só então ele se tocou que deveria ficar com a boca fechada.
No final, acredito que o juiz se divertiu com a situação pois acabou cedendo a revisão e ajustou a pensão da melhor forma para o meu amigo.
Nagib é esse na foto agachado com uma latinha na mão.
Sei que ri tanto com essa história que pedi autorização para contar a vocês.
E às vezes nós somos bem assim mesmo, achamos que vamos impressionar mas acabamos estragando tudo.
Ri muito... espero que vocês gostem também.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Então é 2016. Então é carnaval. Quinta-feira. Dia de calor. Calor gostoso. Final de tarde perfeito pra encontrar amigos. Tomar algo gelado. Jogar conversa fora. Foi o que fiz.
Então em plenas 19 horas desta quinta passa um bloco de carnaval. Que coisa bonita. Todo mundo fantasiado. Todos gêneros misturados. Carro de som no máximo. Trio elétrico. Todo mundo feliz. Que quadro alegre...
Mas ai você se lembra de aonde você está.. eu estou de boa, no balcão da lanchonete que vou sempre com meus amigos, só que essa lanchonete fica na Avenida Xavier de Toledo, região central de São Paulo, acesso pra 23 de Maio, 9 de Julho, Avenida Ipiranga, e então você olha um pouco mais para traz do bloco de carnaval, e vê inúmeros ônibus lotados, milhares de carros parados, taxistas estressados..
Cansei de ver bunda e peitos e silicone e maquiagem boa, maquiagem ruim. Fantasia boa. Fantasia ruim. A maioria era ruim. Gente bonita, mas a maioria era feia. rsrsrs
Aonde termina o direito dos foliões e aonde começa o meu? Daquelas pessoas que foram obrigadas a esperar a passagem do bloco, tenho certeza que a maioria trabalhou o dia todo e estava ansiosa por chegar em casa e descansar.
O trânsito virou um caos... fiquei ali um tempo compartilhando o sofrimento daqueles motoristas...
O pior é que o Vale do Anhangabaú estava vazio. A Praça do Correio estava vazia. A Praça Dom Jose Gaspar vazia. Praça Ramos vazia. Por que tem que parar uma avenida importante como a Xavier de Toledo e não ocupar esses espaços? Não dá pra entender. Não tem como respeitar. Mas somos obrigados a respeitar. Eu que já não gosto de carnaval só reforço minha opinião.
Neste período de tempo que fiquei ali, presenciei mais de uma situação que poderia resultar em acidente, seja por ansiedade de motoristas, ou por ignorância de outros, ou por outros serem extremamente folgados... mas muita coisa ruim pode resultar disso... e isso me entristece.
Uma coisa que não sou é política.. jamais discutirei esse tipo de coisa politicamente, mas na boa.. coisa revoltante parar um pedaço importante de São Paulo por uma coisa que nem todos curtem.. alguns que estavam no trânsito até curtem carnaval, mas naquele momento queriam ir pra casa.. isso não se discute.
Hoje fiquei feliz em razão do metrô estar funcionando perfeitamente, Cheguei em casa com tranquilidade, mas fiquei pensando: como nossas autoridades permitem e autorizam que coisas assim aconteçam? isso só leva ao caos.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016


Gente.. semana abençoada, mas tensa...  Mas faz parte.. O pior é que não rendeu nenhuma história pra nós...
Mas deixa eu contar um pouco do que vejo todos os dias...
Claro que há pessoas educadas, pessoas boazinhas... mas a maioria irritante impera.. são delas que quero falar.
Há aqueles que não sabem andar sem o celular na mão... só que não andam, ficam atrapalhando o fluxo, porque estão no face ou no whats.. quem está atrás que se vire..
Há aqueles que colocam fones de ouvidos mas todos tem que ouvir a "música" com eles.. e vocês já repararam como aquele som de fone pra quem está de fora é irritante?
Há aqueles que pegam meu lugarzinho de dormir.. esses tenho vontade de espancar.. rsrs
Tem também o pessoal que possui um mochila grudada nas costas, não tira por nada do mundo, você que se vire pra conseguir um espacinho, porque a mochila do cidadão no pode ser incomodada.
Aparecem volta e meia também os que não sabem sentar com as pernas fechadas, acham que você tem que se espremer pra ele ficar confortável.
Irritante aqueles que leêm com você, sempre estou lendo, esses dias quase perguntei pro fulano ao meu lado se ele já tinha terminado a página pra eu poder mudá-la, porque ele foi do Jabaquara até a Sé lendo comigo.. e o outro que estava olhando eu jogar Candy Crush no celular e me mostrou que eu não tinha feito uma jogada... me fala...
Mas os mais irritantes de todos (não é bonito de se falar) são aqueles que soltam "pum" (não tive coragem de escrever a outra palavra.. rsrsrsr) dentro do metrô... é pura maldade... e não sei o que esse povo come não, porque é feio o negócio viu... 
Ai você levanta, toma banho, passa hidratante, passa perfume, se pinta, até coloca uma roupa nova de vez em quando, e quando fica presa no metrô tem que aguentar "pum" dos outros... sempre que isso acontece eu saio do metrô achando que estou com aquele fedor em mim.
O mais irritante é que não dá pra saber quem é a pessoa né? hoje aconteceu muito já que o metrô não andava, eu enfiei meu nariz dentro da minha blusa e fiquei bem olhando pra cara das pessoas pra saber quem poderia ter feito uma porquice dessa, sem sucesso claro... pior é que fica um olhando pra cara do outro, tipo: foi você né? 
Mas enfim... pra quem anda de ônibus e metrô sabe do que estou falando.
Pra quem não utiliza esses meios de transporte, eu os convido a vir comigo um dia nessa aventura.
Na boa.. é uma aventura... muitas vezes divertido, muitas vezes nem tanto, muitas vezes eu só durmo.. rsrsrs

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Esse é meu amigo Mauricio Ribeiro. Eu o chamo de Massa. É um dos meus melhores amigos. Ficou fazendo cara de triste pra tirar a foto. rsrsrs. Eu pedi permissão a ele para contar uma história dele, pois ri tanto com essa história que merece ser compartilhada. Vejam só:
Eis que meu amigo teria no final do ano o casamento de uma sobrinha que ele gosta muito. Ai ficou pensando no que poderia dar de presente, um presente bom que ajudasse os noivos, mas que não ficasse pesado para ele (afinal somos securitários.. rsrs).
Ele então começou a pesquisar nos sites sobre presentes, e um dia ficou encantando com um faqueiro.. olhou o preço e não acreditou... super promoção na opinião dele, faqueiro com 180 peças, estojo forrado de veludo, blá, blá, blá por uma bagatela... perguntou pra mãe da noiva quanto custava um faqueiro bom e ela respondeu que não menos de 1.500,00... na hora ele voltou pra casa e fez a compra... Ficou todo pomposo.. Ostentação pura.. não tinha como não gostarem do presente dele... a coisa só fica melhor, ele comprou num dia e já no outro foi feita a entrega... aquela caixa grande, pesada.. ele perguntou pra mãe da noiva quando os noivos estariam lá e acabaram marcando de no sábado eles irem pra casa dele.
Mas a ostentação não acaba por ai não... no tal sábado chegam os noivos, os pais dos noivos, os irmãos do meu amigo, enfim, casa cheia... meu amigo vai e compra pizza pra todo mundo, festa perfeita, todo mundo feliz..
Ai chega o momento dele entregar o presente, quando traz a caixa, quase não aguentando de tão pesada, mas feliz, porque iria dar um presente bom... coloca a caixa no meio da sala, todo mundo os rodeia implorando para os noivos abrirem a caixa logo, todos ansiosos para ver o conteúdo.. então a caixa é aberta, e posso imaginar a cena... todo mundo fica mudo, olhando pra dentro da caixa, e........ dentro tinha nada... a promoção na verdade era a caixa vazia pra guardar o faqueiro que supostamente alguém já tinha... O mais engraçado é ele contar que ficou todo mundo mudo olhando dentro da caixa, e depois de um tempão, o noivo da sobrinha dele falou: ah tio... a caixa é bonita...
O mais engraçado foi ele me falar que nos seus 50 anos nunca passou uma vergonha tão grande... enfim, ele contou que acreditava que tinha um faqueiro dentro da caixa e que tentaria reverter a situação, mas até ai a festa acabou...
Sabe aquela frase: Seria cômico não fosse trágico? então... só serve pro meu amigo mesmo, porque pra mim foi muito cômico... ri muito com essa história, mas vocês tinham que ver ele contando e encenando.. muito engraçado.
O melhor da história é que ele conseguiu trocar "o presente"... mas nem perguntei o que ele acabou dando para os noivos..
Serve de alerta, vamos prestar atenção quando comprarmos pelo site... hahahahahahaha Eu achei muito engraçado... Coitado do meu amigo!!!